quinta-feira, 13 de março de 2014

Século XIX: A Roupa Estética e da Reforma (Pré-Rafaelitas)

Em períodos altamente patriarcais como meados do século XIX, o historiador de moda James Laver observou que os trajes femininos e masculinos tendem a ser claramente diferenciados, e quem adotar em público a roupa do sexo oposto será considerado revoltante e repugnante. A campanha de Amelia Bloomer na década de 1850 para a peça que levou seu nome fracassou totalmente, foi recebida com zombaria e ostracismo social. Trinta anos depois quando surgiram as primeiras reformas no vestuário feminino, elas não consistiam de uma imitação do vestuário masculino e sim, suavizavam os aspectos mais inconvenientes e desconfortáveis da moda feminina.

A Roupa Estética e da Reforma da década de 1880, obedeceu aos estilos contemporâneos. Vestidos mais folgados, sem muitos adornos, na época eram considerados revolucionários.
A roupa estética também se preocupava com o que a mulher vestia por baixo (como veremos abaixo). Radicais recomendavam o abandono do espartilho, contudo os estétas simplesmente achavam que a peça deveria ser remodelada para promover o suporte necessário (lembram do post onde explico as funções do espartilho?) sem a constrição excessivamente rígida da cintura. A introdução de ceroulas saudáveis (drawers) de lã ou algodão ofereciam à mulher mais proteção contra o clima. Apenas uma minoria da população feminina adotou o vestido reformado. E a maioria destas era composta de intelectuais, socialistas e boêmias da classe média.

O Início
O artista Dante Gabriel Rossetti fundou junto com John Everett Millais e William Holman Hunt, em 1848, a Irmandade Pré-Rafaelita. Através do revivalismo romântico eles produziam arte de vanguarda. Desenhavam vestidos destinados inicialmente como figurinos para as assistentes em suas pinturas, estes foram gradualmente adotados por um grupo mais amplo de mulheres como suas esposas, filhas e pessoas ligadas ao círculo de amizade. Estas pessoas usavam roupas inspiradas na Era Medieval em casa e em público. Esta contracultura de artistas e escritores, era contra o que eles viam como a desumanização provocada pela era Industrial. Para eles, a rigidez das roupas e espartilhos vitorianos eram desinteressantes e artificiais. A moda mainstream se opunha à esta moda alternativa e zombava dos pré-rafaelitas e de sua forma “estranha” e menos formal de se vestir.

Obras de Dante Gabriel Rossetti (as mulheres idealizadas do movimento estético, eram altas, ruivas ou com cabelo escuro,  de pele clara, queixos fortes e olhos tristes)

Obras de John Everett Millais (bastente influencia renascentista e medieval)

Obras de William Holman Hunt (referências orientais e renascentistas)


Industrial x Artesanal
A Grande Exposição de 1851 em Londres, apresentou aspectos da Revolução Industrial como a energia a vapor, a indústria e a produção em massa. Os Pré Rafaelitas acreditavam que a perda do artesanato e de bens criados individualmente não beneficiariam a sociedade. Assim, eles viam a sociedade como rígida e obcecada por uma falsa aparência de respeitabilidade. Como resultado, a Irmandade Rafaelita defendia uma cultura que dependia de bens artesanais e roupas com base nos estilos do final da Idade Média, pois as roupas medievais eram simples, elegantes e bonitas. Muitos dos estétas eram vegetarianos ou defensores dos direitos animais, tanto que se opuseram ao uso de penas e de aves mortas inteiras em chapéus (moda na década de 1880).
O movimento estético era frequentemente parodiado e ridicularizado pela mídia. Vários membros do grupo foram criticados por defenderem salários justos e melhores condições de trabalho nas indústrias.

William Morris, tinha profunda apreciação dos ofícios finos que foram produzidos individualmente no final da Idade Média por artesãos. As fábricas têxteis de meados do século XIX destruíram a carreira de tecelões qualificados e se apoiavam em trabalhadores mal pagos, não qualificados, que trabalhavam em condições muitas vezes deploráveis. Morris opôs-se à utilização das novas tinturas de anilina que, por meados do século, substituiu os antigos corantes orgânicos que utilizavam substâncias vegetais e minerais. Os novos corantes de anilina eram, segundo Morris, cores horríveis e berrantes, enquanto as tintas orgânicas produziam tons  mais sutis. 

Algumas estampas criadas com tintas orgânicas por William Morris


O Vestido Estético
O Vestido Estético (ou roupa estética) também pode ter sido uma repulsa à utilização excessiva da máquina de costura que permitia o embelezamento exagerado dos vestidos vitorianos. Muitas vezes os Vestidos Estéticos eram enfeitados apenas com grandes girassóis, narcisos ou outras formas orgânicas trabalhadas em arte bordada. Os tecidos eram tingidos com corantes naturais em matizes índigo, salmão, verde, terracota, âmbar ou azul. Não eram influenciados somente pela era medieval e pela renascença, também absorviam  elementos gregos, romanos, georgianos, do Extremo Oriente, Oriente Médio e estilos japoneses. 

No quadro abaixo é possível ver o contraste da moda vitoriana vigente com os trajes do estétas. Duas garotas juntas à esquerda - uma de amarelo e outra de verde - e uma terceira de verde de costas, usam vestidos artísticos simples, sem bustle, sem cintura fina, adornados apenas com pregas ou flores. 
Há também uma garota à direita - de vestido rosa, usando um vestido com prega Watteau nas costas, o homem perto dela, de cartola e cravat vermelho é Oscar Wilde.



Roupas
O vestido estético oferecia mais liberdade de movimento do que a moda em vigor na Inglaterra Vitoriana. Em vez de espartilhos rígidos, as mulheres usavam corpetes, vestidos fluidos, com pregas suaves. A cava das mangas eram no lugar “normal” contrastando com o ombro caído da moda vitoriana que restringia os movimentos dos braços. As mangas eram muitas vezes bufantes nos ombros e ajustadas no braço. Alguns vestidos tinham a parte de trás imitando as pregas Watteau, presas no topo das costas e caindo até o chão.
Poucos acessórios eram usados, jóias com âmbar eram muito populares, assim como jóias inspiradas no oriente.

 Vestidos com cava no lugar "normal" permitiam melhor movimento dos braços

 Influência greco-romana e oriental nos trajes

Vestidos com prega "watteau", uma prega usada nos vestidos do século XVIII



Alguns Ícones do Movimento Estético
Jane Morris, esposa de William Morris, era o oposto dos ideais femininos vitorianos: nasceu pobre, era alta e tinha cabelos escuros. Ela era a personificação perfeita do Movimento, com cabelos encaracolados, desgrenhados, vagamente presos para atrás.


Elizabeth Siddal era modista, se tornou modelo e poetisa. Tinha cabelos vermelhos, pescoço longo, olhos grandes e expressivos. Foi ela quem posou para a famosa obra “Ophelia”, deitada em uma banheira de água fria, o que lhe rendeu um caso grave de pneumonia. 


Emilie Flöge, companheira do pintor Gustav Klimt, teve alguns de seus vestidos desenhados pelo próprio artista. Emilie não usava espartilho e gostava de vestidos de forma solta. Notem a semelhança de alguns de seus trajes do começo do século XX com as roupas usadas pelos hippies na década de 1960.

 
Oscar Wilde, famoso autor de “O retrato de Dorian Gray”. O estilo de Wilde é amplamente reconhecido como  a moda masculina do movimento estético. Cabelos lânguidos, jaqueta e calções de veludo, chapéu de abas abertas, calças ao estilo turco, gravatas com o nó solto. Wilde era uma das figuras centrais do Movimento e foi muito ridicularizado, mas entendia sobre o poder de se comunicar através da aparência.


Charles Dodgson, também conhecido como Lewis Carroll, autor de Alice no País das Maravilhas, também era entusiasta do Movimento.



Liberty of London
Arthur Lasenby Liberty abriu sua loja Liberty & Co, em 1875, introduzindo tecidos importados e artefatos incomuns, atraindo artistas como George Frederick Watts, James Whistler e Frederick Leighton. Liberty produzia tecidos adequados ao clima Inglês inspirado por desenhos orientais e medievais. Em 1884, abriu um departamento de costura, dentre as clientes estava a famosa atriz Ellen Terry. Ellen adorava vestidos estéticos!
Arthur Liberty conseguiu convencer fabricantes britânicos a reviver algumas das técnicas de tingimento persas e usar desenhos orientais, bem como a introdução de novos projetos estéticos. Os tecidos podiam ser pintados à mão e os eram produzidos no departamento de costura da empresa.

Arthur Liberty e alguns vestidos criados por ele

O Fim do Vestido Estético
Como muitos movimentos radicais, o vestido estético chegou ao mainstream. Na década de 1880, já havia uma revista dedicada aos ideais do movimento, a Jenness Miller Magazine

Anúncios e artigos na Jenness Miller Magazine falavam sobre corselets que podiam substituir espartilhos e roupas de baixo mais confortáveis.


Com a chegada da estética ao mainstream, o movimento estético não era mais um conceito revolucionário e desapareceu lá por 1900, sendo substituído pela Art Nouveau, de ideais semelhantes na estética das artes e ofícios. E inspirou estilistas do fim do século XIX e começo do XX como Mariano Fortuny e Paul Poiret. Poiret é considerado o estilista que liberou as mulheres do espartilho e criou coleções de influência oriental que moldaram a moda da década de 1910. Como podemos ver, é possível que sua amizade com membros do Movimento Estético, tenham influenciado suas criações, já que as mulheres estétas já não usavam espartilhos.


O Legado do Vestido Estético
Como deu os primeiros passos rumo à roupas mais soltas para as mulheres, o Movimento Estético deixou como legado o surgimento dos "vestidos de chá". Eram vestidos mais leves e que podiam ser usados sem espartilhos para as mulheres vitorianas que queriam receber amigas em casa e ficar mais à vontade, livres das restrições de camadas excessivas de roupas e mecanismos como o bustle



Leia também:
Historicismo na Moda (Parte 1) 
Historicismo na Moda (Parte 2)
A Primeira Fotógrafa de Moda Lady Clementina Hawarden
Século XIX - Parte 2: A Moda na Era Vitoriana
O Homem Vitoriano e sua barba
Mulheres Vitorianas 
Fashion Plates brasileiras da década de 1910

2 comentários:

  1. Tem certeza que foi ela que modelou para ophelia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://lizziesiddal.com/portal/
      https://www.youtube.com/watch?v=zjs_GOjwCUs

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

NOTA AOS LEITORES


Olá, tudo bem?
Fico feliz que tenha chegado até aqui! Infelizmente não consigo responder todos os leitores com devida atenção. Me perguntam sobre livros que uso nos textos estão, eles listados neste link: https://modahistorica.blogspot.com.br/p/livros.html

Alguns textos foram escritos entre 2009 e 2013, num período que eu não anotei as fontes, por isso eles não as tem. Portanto, quem me escreve cobrando as fontes destes artigos, espero que compreendam que não posso colocar uma fonte que não lembro ao certo/exatamente qual foi, indicando algo errado. MAS os livros que uso estão no já citado link - pra quem quiser ir atrás deles. Sei que professores e orientadores lhes cobram fontes e nada melhor que ler livros pra adquiri-las.


A quantidade de emails e comentários é grande e soaria repetitivo e cansativo eu responder isso a um por um dos leitores. Gostaria que essa cobrança que às vezes vem como crítica, ficasse mais amena através da compreensão, pois quando comecei o blog não sabia que se tornaria tão grande e que viraria referência no Brasil.
Agradeço a compreensão (e os elogios ao blog).
Sana ♥